Wong Fei Hong
Um site feito para amantes da milenar arte da luta
MUNDO MARCIAL
     Um pequeno grupo de homens esgueirou-se por entre as sombras e se dirigiu aos fundos de um prédio modesto – uma clínica médica em Gwang Zhong (região chamada no Ocidente de Cantão). Alertas, pareciam felinos no lusco-fusco daquele início de noite do ano de 1891.

     Os rapazes eram membros de uma das milícias que pipocavam na violenta China de então.
Um deles bateu à porta.

     O anfitrião, um homem de meia-idade, os convidou amavelmente a entrar e ordenou que um de seus 9 filhos trouxesse chá.
Então mostrou ao grupo o poder mortal de suas mãos: aqueles felizardos eram discípulos de uma lenda, o venerado e temido Wong Fei Hong.

     Wong Fei Hong nasceu em 1847.
Seu pai era um renomado professor de artes marciais – em chinês, wushu.
Jet Li interpretando Huo Yuanjia no filme de mesmo nome, o título em ingles é "Fearless" e em português, "O Mestre das Armas"
     Começou a treinar aos 5 anos, ensinado pelo pai.
Aos 20 era não só exímio lutador, mas também versado em filosofia e conhecedor da medicina tradicional chinesa.

     Como dizia seu pai, um verdadeiro mestre precisaria dominar o kung fu: essas duas palavrinhas queriam dizer excelência na prática de uma arte tradicional, fosse ela culinária, música ou a luta. Não apenas distribuir socos e pontapés, mas viver em harmonia com o meio ao redor.

     Wong Fei Hung junto com seu pai iam de povoado em povoado exercerem a medicina e fazer demonstrações. Wong Fei Hung desde muito jovem tornou-se um lutador extraordinário, um gênio da arte de lutar.

     A medida que passavam os anos sua fama se transformou em lenda, era um lutador invencível, tanto é que na China o consideram como um dos melhores lutadores de todos os tempo. Wong Fei Hung tinha seu Kun (Academia) que se chamava Puchi Lam, estava localizado na província de Fan San, ali instruiu numerosos alunos, dos quais os mais conhecidos são Lam Sai Wing e Tang Fong.

     Wong Fei Hung estruturou o sistema, o ampliou, enriqueceu-o e poderíamos seguir com uma lista interminável de adjetivos do que ele fez pela arte. Entre o povo não só era famoso por sua eficiência na luta senão também por sua bondade.


     O mestre Wong, apesar de pacífico, socava inimigos de vez em quando.

     As tríades (a máfia chinesa), os políticos corruptos e os representantes das potências européias o odiavam. E o temiam.

     Wong nunca foi vencido em duelo.
Era um mestre em vários estilos de luta e exímio no manejo do bastão.

Treinou as milícias nacionalistas que lutavam contra a ocupação da China pela Inglaterra.
Mas seu maior feito foi tratar do povo com ervas medicinais e acupuntura.

     De graça. Assim tornou-se um ídolo popular.
Os poderosos tiveram sua revanche contra o pacato mestre.
A gangue Dai Fin Yee, que controlava o tráfico de ópio em Cantão, matou à traição o seu filho primogênito - que seria seu sucessor - em 1895.

     Depois da tragédia, Wong Fei Hong jurou nunca mais ensinar a um filho as artes marciais.
Não adiantou.

     Os moleques aprenderam os segredos do pai ao, escondidos, vê-lo treinar.
Em 1924, um incêndio destruiu a sua clínica.
Poucos meses depois, Wong Fei Hong morreu e virou rapidamente herói nacional.

Até hoje, foram produzidos mais de 200 filmes sobre a sua vida em Hong Kong.
• O maior legado de Wong Fei Hong à arte marcial foi o estilo Fu Hok Seung Yin Kuen.
Combina o estilo "pesado" do tigre - de socos, porradas e torções do corpo do adversário - com o estilo leve e rápido da garça, de vôos, chutes e acrobacias.
• O primeiro filme sobre a sua vida foi A Verdadeira História de Wong Fei Hong, de 1949.
O protagonista, Kwan Tak Hing, interpretou-o em outros 99 filmes, o último em 1981.

• A viúva de Wong Fei Hong, Mok Gwai Lan, era 40 anos mais jovem que ele. Ela ensinou a arte do marido até depois dos 80 anos. Nos anos 70, deu exibições das artes marciais de Wong Fei Hong à TV de Hong Kong.
Jet Li interpretando Wong Fei Hong no filme "Once upon a time in china II" em português, "Era uma vez na china II"