Kyudo
     Kyudo (O Caminho do Arco), é a arte marcial japonesa do tiro com arco. Apesar da sua actual forma ter evoluído, ao longo das últimas décadas, para uma unificação, trata-se da mais antiga arte marcial japonesa, com as primeiras referências históricas a datarem do século VII da nossa era.


     A ANKF (Federação Japonesa de Kyudo) é, desde 1953, o orgão que regula a prática do kyudo em todo o mundo. O número de praticantes registados no mundo é, aproximadamente, o seguinte: Japão - 110.000 (aprox.), Europa - 2.200 (aprox.) e América - 250 (aprox.).


     Para além dos praticantes registados, existem pequenos núcleos em alguns países e no Japão que praticam o kyudo à margem da ANKF.
Propósitos do kyudo

     Na sua forma actual, o kyudo é práticado como uma forma de desenvolvimento da pessoa em sentido integral, através do corpo nas suas componentes física e mental. No Japão muitos arqueiros praticam o kyudo com uma vertente de desporto. Segundo o Manual de Kyudo da Federação Japonesa de Kyudo (ANKF), a verdade do kyudo está na unidade de três princípios, (1) a estabilidade do corpo, (2) a estabilidade da mente e (3) a estabilidade do arco. Dedicar-se e concentrar-se completamente no tiro é, então, um objetivo que está para além do mero acertar o alvo.

     O arco foi uma arma de guerra sobretudo entre os séculos XII e XVI. Para além disso, o tiro foi também, e desde os século VI, utilizado em cerimónias de corte. Como arma foi perdendo importância após a introdução das armas de fogo pelos portugueses no século XVI. As escolas de tiro com arco, então existentes, evoluem para formas de tiro onde a ênfase é colocada tanto nos aspectos técnicos e físicos quanto nos aspectos mentais e formais do tiro. A palavra kyudo começa a utilizar-se ao longo do século XVII, a par da designação corrente que ainda hoje subsiste de kyujutsu; é a partir do início do século XX que a designação de kyudo se generaliza.

     A partir de 1930 surgiram os primeiros esforços para unificar a prática do kyudo, uma vez que existência de várias escolas, cada uma com várias técnicas e formas de tiro, dificultava a prática conjunta. É em 1934 que surge o primeiro manual de kyudo que propõe um conjunto de princípios comuns. No entanto é só após a segunda guerra mundial, e com a formação da Federação Japonesa de Kyudo, que o objectivo de unificar e normalizar os procedimentos do tiro oriundos das diversas escolas é atingido e aceite no Japão, permitindo o desenvolvimento do kyudo no mundo e estabelecer uma prática comum onde diferentes formas e estilos possam coexistir e atirar em conjunto. Como consequência é publicado em 1953 o Manual de Kyudo (com 4 volumes actualmente), que será revisto e ampliado em 1971 e do qual existe, para o volume 1, uma tradução oficial em inglês e uma adaptação em francês. Este manual é uma fonte e uma referência para todos os praticantes de kyudo qualquer que seja o seu nível. A Associação Portuguesa de Kyudo (APK) possui uma tradução (não editada) do volume 1.

     Existe desde 1980 uma federação européia de kyudo e uma federação americana. Os seguintes países europeus têm a sua federação ou associação nacional reconhecidas pela Federação Japonesa de Kyudo : Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Reino Unido, Islândia, Itália, Luxemburgo, Noruega, Holanda, Portugal, Suécia, Suíça.

     Em 2006 foi criada a Federação Internacional de Kyudo (IKYF). 17 federações de diferentes países são membros fundadores da IKYF: Japão, Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Reino Unido, Islândia, Itália, Luxemburgo, Noruega, Holanda, Portugal, Suécia, Suíça e os Estados Unidos da América.

     A síntese e unificação das diversas formas de tiro pela ANKF fez-se em paralelo com as escolas tradicionais. As tradições de tiro antigas são ainda mantidas e transmitidas em paralelo com o desenvolvimento do kyudo pela ANKF. Cada escola pratica o kyudo através da coexistência das suas formas com as da ANKF.

     Alguns núcleos e escolas no Japão mantêm-se à margem da ANKF, evitando por exemplo o uso das graduações em dan, e mantendo estritamente as suas formas tradicionais de tiro.

     O arco japonês tem um significado cultural amplo no Japão. A sua utilização não se limita ao kyudo, sendo utilizado no tiro a cavalo (yabusame) e em cerimónias religiosas (shintoísmo sobretudo), nas actividades diárias de alguns mosteiros zen em cerimónias diversas como baptizados e aberturas de torneios de sumô.
Equipamento



ARCO

O arco japonês (yumi) é excepcionalmente longo (cerca de 2,20m), ultrapassando a altura do próprio arqueiro (kyudoka).

     Os arcos são tradicionalmente feitos de bambu, madeira e couro utilizando técnicas que não mudaram em séculos, apesar de alguns kyudokas (principalmente os novos na arte) utilizarem arcos feitos de materiais sintéticos (fibra de vidro e carbono).

     Actualmente, mesmo alguns kyudokas veteranos utilizam arcos destes materiais, dada a grande vulnerabilidade do bambu em climas extremos.
FLECHA

A flecha (ya) é tradicionalmente feita de bambu, e era adornada com penas de águia ou de falcão. A maioria das flechas actualmente ainda são feitas de bambu (apesar de muitos kyudokas utilizarem as de aluminio ou fibra de carbono), e as penas actualmente são de aves que não correm perigo de extinção, como perus. Os arqueiros normalmente atiram duas flechas de cada vez, (a primeira chama-se haya, a segunda otoya).

LUVA

No tiro utiliza-se uma luva na mão direita chamada yugake, ou seja luva (kake) do arco (yumi). Esta luva é feita de pele de gamo ou veado, e possui um revestimento endurecido na região do polegar, além de um pequeno encaixe na sua base para que a corda do arco (tsuru) seja mais facilmente puxada. Existem diversos tipos de luvas consoante o número de dedos que têm. A luva de três dedos (polegar, indicador e médio) designa-se por mitsugake. A luva de quatro dedos (polegar, indicador, médio e anelar) chama-se yotsugake. A luva de cinco dedos designa-se por morogake sendo a menos comum.

Treino e prática

     A prática do kyudo para um principiante inicia-se com os primeiros treinos em que os movimentos básicos do tiro (hassetsu) são apreendidos de mãos vazias, sem arco. Após 2-3 treinos o praticante inicia os movimentos com uma fisga ou elástico. Depois os mesmos movimentos são repetidos já com o arco, mas sem flechas. De seguida o praticante será levado para o primeiro tiro em frente de um alvo de palha (makiwara) situado a curta distância (+/- 2 metros) onde disparará as suas primeiras flechas já com a luva na mão direita. Depois durante dois ou três treinos passará a disparar ao alvo, primeiro a curta distância (5-6 metros), depois a meia distância (14 metros) depois a 20 metros e finalmente à distância normal do alvo, que é de 28 metros. Entre o início da aprendizagem e o primeiro tiro ao alvo a 28 metros poderão passar entre 1 a 3 meses, dependendo do número de treinos por semana e do praticante. A par desta aprendizagem da técnica do tiro, o praticante inicia-se também desde o início nos movimentos formais, uma vez que os movimentos e deslocações na zona do tiro são feitos segundo um conjunto de princípios estabelecidos: a entrada na zona de tiro, a saudação, a aproximação à linha de tiro, o ajoelhar para preparação das flechas o levantar para o tiro, a sequência do tiro e a saída. A postura e a forma do corpo ao longo de todas as fases e movimentos é um aspecto essencial na prática do tiro.

     Uma sessão de treinos depende do contexto em que se realiza, do tempo disponível e do número de praticantes envolvidos; sendo derivado não só, mas também, de antigas práticas guerreiras, a imprevisibilidade e capacidade de adaptação são parte essencial do kyudo. Tipicamente inicia-se um treino com alguns movimentos breves de aquecimento e exercícios respiratórios. Depois segue-se o tiro contra o alvo de palha (makiwara) a curta distância, podendo ainda ser antecedido pela prática dos movimentos do hassetsu sem arco. No tiro ao makiwara, o atirador concentra-se sobretudo na postura e na técnica sem a preocupação com o alvo. O treino de makiwara é fundamental para a evolução de qualquer atirador, qualquer que seja o seu nível e não apenas para os iniciados; no Japão muitas cerimónias públicas envolvendo ou não artes marciais são inauguradas com um tiro de cerimónia ao makiwara executado pelo mestre de mais alta graduação presente. Após o tiro ao makiwara os praticantes passam então a atirar contra ao alvo à distância de 28 metros. O tamanho do alvo é normalmente 36cm de diâmetro (ou 12 sun, uma unidade de medida tradicional do Japão que equivale a cerca de 3,03cm), e ficam a uma distância de 28 metros do kyudoka. Esta distância do alvo e a sua posição baixa, a 15 cm do chão, é aquela que permite que o atirador permaneça numa postura vertical correcta com o corpo firme e em extensão em todas as direcções (baixo-cima, direita-esquerda e frente-trás).
Técnica


     O tiro efectua-se sempre com o arco na mão esquerda - yunde, a mão do arco e a mão direita com luva segura a corda. Pode-se treinar individualmente, mas as diferentes formas de tiro são sempre de tiros em grupo em que os atiradores atiram segundo uma seqüência em tempos determinados e com movimentos coordenados entre si. Também por isso os atiradores estão todos virados para o mesmo lado.

     O abrir do arco deve ser efectuado através de um movimento simultãneo dos braços direito e esquerdo que se inicia com ambas as mãos acima da altura da cabeça. Na extensão máxima a corda e a mão direita ficam bem atrás da cabeça.

     Apesar dos receios que a corda possa bater na cara, é muito raro isso acontecer.
     Imediatamente após o tiro, o yumi irá (para um kyudoka com prática) rodar na mão, fazendo com que a corda do arco pare na frente do antebraço externo. Este movimento, o yugaeri é uma combinação de técnica e da movimentação natural do arco. É único no kyudo.
Os movimentos executados durante o tiro seguem a seguinte seqüência, designada hassetsu, conforme prescrito pela Federação Japonesa de Kyudo - All Nippon Kyudo Federation (ANKF) no Kyudo Kyohon (Manual de Kyudo):

Ashibumi - Abertura dos pés;
Dozukuri - Postura do corpo;
Yugamae - Preparação do arco (para o tiro);
Uchiokoshi - Elevar o arco;
Hikiwake - Abertura do arco;
Kai - Encontro (a posição de extensão máxima);
Hanare - Disparar da flecha;
Zanshin - Permanência da forma.
Escolas principais
All Nippon Kyudo Federation (ANKF) A Federação Japonesa de Kyudo é, desde 1953, o orgão de cúpula do kyudo no Japão. Várias escolas tradicinais continuam a existir, mas desde a formação da ANKF algumas têm desaparecido. A ANKF tem vindo a unificar a prática do kyudo num conjunto de princípios comuns, embora admitindo ainda algumas diferenças originárias das escolas principais.

Escolas tradicionais
Ogasawara Ryu - origem no século XII
Heki Ryu Chikurin-ha - com origem no século XV, ramo da escola Heki
Heki Ryu Insai-ha - com origem no século XV, ramo da escola Heki
Honda Ryu - origem no século XIX.
Um site feito para amantes da milenar arte da luta
MUNDO MARCIAL