Infelizmente, seus planos foram descobertos pelos soldados, mas graças à sua habilidade superior, artimanhas e ajuda de colegas, Wong escapou acompanhado de seu instrutor. De maneira a evitar serem capturados, eles tomaram o caminho para as Montanhas Ngo-Mei e Kwan-Lun, eventualmente chegando à Montanha Lao, na província de Shantung.

     Após algum tempo, o Sifu de Wong Long faleceu devido à idade avançada e nenhum de seus colegas o sucedeu em seu lugar como instrutor. Para passar o tempo, Wong lutava amigavelmente com seu irmão mais velho de treino, tanto com mãos-vazias, bem como com armas. O irmão de Wong era mais habilidoso e consequentemente Wong era sempre derrotado.

     Três anos rapidamente se passaram. Bem preparado, Wong combateu novamente com seu irmão mais velho, e perdeu novamente. Agora, Wong sentiu-se tão envergonhado pensando até em se matar. Então um dia, o irmão mais velho de Wong decidiu viajar e passar algum tempo passeando pelo país. Quando estava saindo, ele disse para Wong treinar muito, pois esperava ver grandes avanços nas habilidades de Wong, ao retornar.

     Em um dia quente, Wong sentiu-se entediado em seu confinamento. Então ele pegou sua espada, alguns livros e foi para a floresta. Assim que ele se refrescou e começou a virar as páginas de um dos livros, ele ouviu alguns silvos. Os sons pareciam até desesperados. Wong olhou para cima, e viu em uma árvore alta um louva-a-deus e uma cigarra travando um combate mortal. Utilizando seus fortes membros, e suas garras em forma de gancho, o louva-a-deus atacou a cigarra violentamente. A batalha logo acabou, e a cigarra caiu morta.

     Uma idéia passou pela mente de Wong. O louva-a-deus lutou de maneira engenhosa, o timing de seus avanços e fugas foi perfeito; ele utilizou ataques de longa distância e técnicas de aproximação corretamente; ele agarrou e soltou metodicamente. Wong pensou: “Isso não lembra técnicas de luta?”. Então Wong capturou o louva-a-deus e o trouxe de volta ao templo. A partir daí, Wong provocou o louva-a-deus todos os dias com um pequeno graveto. Simultaneamente, ele observou cuidadosamente suas reações.

     Sendo um homem analítico e inteligente (e um perito em diversos estilos de artes marciais), Wong logo formalizou que o louva-a-deus utilizava-se de doze métodos principais para ataque e defesa, que hoje são conhecidos como as doze palavras-chave do estilo Louva-a-Deus.
Bak Tong Long (Louva-à-Deus do Norte)
     Louva-a-Deus (pinyin: tánglángquán); Ton Lon; Tong Long, é o nome dado a dois estilos distintos de artes marciais chinesas; um deles é característico "do Sul" e o outro "do Norte" da China.
     O estilo Louva-a-Deus do Norte foi criado por Wang Lang(Wong Long) na província de Shandong. Wang Lang se inspirou na agressividade e eficácia do inseto ao combater uma cigarra.
     Algumas características do estilo Louva-a-Deus do Norte são: grande velocidade, ataques incessantes, e movimentação complexa dos pés.
O estilo também é muito conhecido pelo uso da "garra do Louva-a-Deus" (um gancho feito com os dedos da mão).
A lenda da criação do estilo do Louva-a-Deus
     Ao final da Dinastia Ming (meio do século XVII), viveu um nativo de Shantung conhecido como Wong Long. Ele era um homem muito patriótico, e como o governo Ming estava prestes a ser deposto, ele sempre estava pensando em abdicar de seu corpo e alma para a defesa de seu país. No entanto, suas tentativas sempre foram fúteis, e seu entusiasmo rejeitado. Então, ele retirou-se para a Montanha Sung e praticou artes marciais no Templo Shaolin, na esperança que um dia isto o ajudaria.
     Quando os Soldados de Ching tomaram o poder na China, Wong pensou que este era o momento de se voluntariar e oferecer seus serviços. Entretanto, ele não encontrou nenhuma posição disponível no governo ou no exército. Então, ele retornou ao Templo Shaolin e planejou lutar com forças de guerrilha contra o regime vigente.
As 12 Palavras-Chave do estilo Louva-à-Deus
NGOU, LOU e T´SAI. Individualmente, seus significados são, respectivamente: enganchar, agarrar e arrebatar. Quando as três palavras são utilizadas de maneira combinada, os movimentos de fato, são enganchar, agarrar e atacar.
     A quarta palavra-chave é KWA, que neste caso significa um bloqueio para cima. A quinta e a sexta palavras-chave são DIEW e JHIN que significam interceptar e avançar. A sétima e a oitava palavras-chave são DIEW e DAH, que conjuntamente significam enganchar e atacar. A nona e a décima palavras-chave são JIMM e NEEN, e seus respectivos significados são aderir e colar, refletindo princípios de luta de contato próximo.
     A décima primeira e a décima segunda palavras-chave são TIPH e K´AO, significando grudar e se reclinar sobre alguém. Wong então pegou as melhores técnicas de dezessete outras escolas de boxe chinês da época, combinando-as em um único e conciso estilo, conhecido desde então, como Estilo Louva-a-Deus.
Um site feito para amantes da milenar arte da luta
MUNDO MARCIAL